Pesquisar este blog

Translate

1.10.15

Prisão Capítulo 53


Por Waldryano | Para o blog Waldryano
O Julgamento [parte 1]
Capítulo 53

Dês de que me encontrei com aquela moça que não paro de pensar nela, nem no que ela falou para mim.
A primeira coisa que fiz quando cheguei em casa foi ler a Bíblia, na passagem de Judas como ela me disse:
Lí, pensei no meu amigo Robson, realmente eu também trai sua confiança e coloquei ele numa enrascada,e fiz ele pagar por um crime que não cometeu.
Quis fechar a Bíblia, mas a consciência pediu para continuar a ler e sem querer abri ela de novo e caiu neste versículo.
"Até o meu próprio amigo íntimo em quem eu tanto confiava, e que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar" Salmo 41:9
Nossa, neste caso foi no Salmos, Davi que escreveu esta passagem,ele também deve ter sofrido com a traição.Mas no meu caso, o Robson nunca fez nada de errado comigo, sempre me levava na casa dele, e me considerava um amigo intimo.
-Como eu fui um mal amigo,levei ele para uma roubada!
Agora estou neste carro alugado, vou voltar para a minha cidadezinha do interior para redimir o que fiz, agora não tenho meu pai para dizer o que devo fazer.
De repente o pneu fura, e Nilmar tem que parar na estrada bem perto de uma ponte.
-Mas eu irei morrer na prisão, sei lá irei ficar preso!
Eu não quero ir preso.Mas este sentimento de culpa esta me atormentando, aqueles cachorrinhos e o meu amigo bingo que meu pai matou. E os sonhos do Robson que eu matei? Como ele sobreviverá com a marca de presidiário?
-Sim devo me entregar e dizer que foi eu não ele que atirou.
E Nilmar caminha rumo a ponte para ver se alguém ajuda ele.
Mas ninguém vem, e o carro não tem ferramentas para trocar o step.
Ele vai na ponte e olha para baixo.
Nilmar é tentado.
-É só me lançar desta ponte abaixo que acabo com a minha vida,
A consciência diz para ele não fazer isto. Lembre-se a moça advogada ela disse te ajudar,ela te olha com amor e afeto se apegue neste sentimento!
O inimigo tenta seus pensamentos e ele se questiona.
Atire-se daí,você não acabou com a vida do seu amigo? Você não deixou ele ir preso no seu lugar?
E ele se levanta no corrimão da ponte e olha lá para baixo e fala:
-Sou um traidor, trai o meu melhor amigo!
Veja os olhos e de repente sente um vento impetuoso, que lhe faz sentir algo inexplicável.
-Nãão moço não faça isto.
Um carro branco, para naquele asfalto deserto.
Nilmar abre os olhos, escorrega e caí.
Caí.
A queda foi para o lado contrario da morte, Nilmar não sabe explicar mas um agir correu no seu corpo, e fala decidido.
-Vou assumir meu ato, foi eu que atirei no Zecão. A moça advogada me ajudará.
E vem a mulher que estava no carro branco e abraça Nilmar.
-O que houve moço, não pense em nenhum momento fazer o que estava querendo fazer, Jesus te ama, a morte deste modo, leva você para o inferno, sou evangélica, você aceita Jesus na sua vida agora?
-Sim aceito!
-Você promete servir a ele mesmo em meio a dificuldade?
-Sim prometo!
Moço você é um filho amado de Jesus, ele te ama,nunca tente com sua vida!
-Nilmar chora, e diz.
-Você veio na hora certa, precisava ouvir bem isto que esta me dizendo, e continua, fiz algo errado, e prejudiquei um amigo.
-A mulher que estava com um vestido todo branco, parecia de brim aparentava ter uns quarenta anos poderia ser perfeitamente a mãe do Nilmar. Disse assim a ele.
-Filho, eu não sei dos seus pecados,dos seus erros ,mas sei que Jesus perdoa todos eles a partir de agora, pois você o aceitou como o seu salvador. Agora te ajudarei no que for necessário saia deste lugar deserto e volte pra sua vida.
-Sim estou saindo deste deserto, vou fazer o certo.
Assim é melhor, e deu outro abraço no Nilmar.Nilmar explicou o problema do carro, ela prontamente ajudou, antes de se despedir de Nilmar fez uma oração para ele e pediu o telefone, disse que ligaria em outra oportunidade, disse que estava louvando no carro, indo para a capital pois sua filha esta doente no hospital, e viu, o Nilmar naquela ponte daquele modo, e parou o carro.
-Muito obrigado como é seu nome?
Maria.
E entrou no carro Nilmar estava com pressa, pois escutara na radio que o julgamento era aquele dia e sabia que já havia começado. Pensava, Maria igual a mãe de Jesus! Tive um encontro com Maria, mas esta Maria me resgatou de uma loucura!
E continuou dirigindo, chegando na cidade.
E apressadamente chega no Fórum.
**
Eu não contei para Nelma não queria que ela soubesse que este promotor é o mesmo do caso que ganhei anteriormente. Vi nos olhos dele uma doce vingança.
-Mas neste caso?
Não, eu não quero que o inocente do namorado da Nelma seja culpado de um crime que não cometeu.
Sei que ele fará de tudo para colocar o Robson na prisão. E sei que um pouco será por minha causa. Seu sorriso sarcástico me faz pensar assim.
Olho para o celular...
Aí, senhor porque ele não liga! Eu sei que ele virá! Estava escrito nos olhos dele.
Minha defesa esta toda baseada na confissão dele.
Não existe outra defesa, ou o juiz acata esta confissão, ou o Nilmar, aparece ou eu perderei este caso!
Sei que exagerei e fui muito persuasiva com ele. Mas foi necessário. Ele não é mais criança, e o que fez foi errado.
-Mas ele como eu sofreu com um pai inescrupuloso.
Eu entendo perfeitamente o que se passa com Ele. Passei por isto também! Hoje sou livre. E ele esta a caminho de libertar-se plenamente.
-Começa o Julgamento.
Lara olha mais uma vez para o celular e o desliga e entrega para o mesário.
A partir de agora começa o julgamento....
Lara diz por favor mais 15 minutinhos!
O Juiz diz, mais 10 minutos e começaremos esta sessão.
Dez minutos abençoados, chega Nilmar Lara fica branca, corre abraça ele. E diz:
-Vamos logo preciso dos seus documentos, preciso anexar aos autos,será uma testemunha de defesa.
Ele olha para Lara e diz:
-Você não sabe o que eu quase fiz,
-Lara olhou e lacrimejou os olhos.
-Sabe Nilmar em muitas coisas somos diferentes, mas na essência somos parecidos, estava esperando esta decisão sua de corrigir seu erro, e isto me fez amar você rapaz,você teve uma atitude certa em meio a tantas atitudes erradas.
-Sim, mas tenho medo!
-Não precisa mais ter medo eu te ajudarei a partir de agora.
Isto o tempo passava e Lara com uma destreza inimaginável anexou os documentos de Nilmar aos autos, testemunha de defesa, era oficialmente a ajuda que tanto precisava.
O julgamento se fez tenso, o promotor de todos os modos, queria demonstrar aos cinco jurados que Robson era um meliante, e que matar animais demonstrava a crueldade do ato. A testemunha de acusação a Mãe do Zecão e uma mulher de uma ONG da cidade que só demonstraria que havia um sumiço de cães naquela cidade e que certamente era o Robson o maníaco.
Nilmar escutara tudo olhava para o Robson, Robson olhava para ele e ambos abaixavam os olhares, Nelma olhava para Robson com um olhar otimista.
Robson olhava para Lara confiando naquela moça. E Lara olhava para Nilmar com um olhar afetuoso.
O promotor demonstrava que queria de todos os modos 'desenhar um perfil de assassino ao Robson.
E começou Lara com a defesa.
-Meritíssimo, meu cliente errou:
Todos olharam atônitos para ela.
-Sim ele errou em confiar em um amigo, ele errou em atirar com uma arma de fogo em um lugar afastado, para diverti-se ou testar seus limites.
-Mas foi só este o erro dele.
Apresento-vos Nilmar, testemunha de defesa.
Nilmar contou toda a história no seu depoimento, disse que seu pai levara ele naquele local e que foi o seu pai que atirou, nos animais para praticar nos coitadinhos tiro ao alvo, para deste modo nos outros dias planejar o crime contra Zecão, seu pai que ligara para Zecão marcando um encontro naquele local afastado, enfim tudo premeditado pelo pai do Nilmar que foi movido por vingança e que usou da ingenuidade dele para incriminar seu melhor amigo.
O juiz escutava atento e disse:
-Qual foi o motivo pra você querer incriminar seu amigo?
Inveja tinha inveja do Robson, sempre ele tinha tudo e eu nada, um pai amoroso,e eu um pai que me surrava. Nestes instantes Lara olhava apreensiva para Nilmar. E aproveitei um deslize meu de fazer uma brincadeirinha com o Zecão para colocar ele como o culpado.
-Seu monstro, meu filho esta naquele hospital por conta da sua brincadeirinha.
-Silencio ordem no tribunal.
Lara ficava mais calma, o depoimento de Nilmar esclarecia muitas coisas, o julgamento estava se desenhando a favor do Robson.
Terminando o depoimento de Nilmar ela respirava aliviada. O promotor recebeu um envelope de dois policiais, recebera por Email o tal envelope.
Meritíssimo, eu refuto este depoimento e esta testemunha.
O conteúdo do envelope já estava nas mãos do promotor.
Nestes momentos havia um clamor, em oração na igreja de Robson no momento do julgamento, o pai e a mãe de Robson preferiram ficar orando por conta da fragilidade da mãe de Robson, Nelma em todos os momentos fechava os olhos orando em espírito.
Robson pergunta a Lara:
-O que quer dizer refuto, Lara fala baixo para ele:
-Não sei o que ele tem naquele envelope, mas se for consistente pode fazer o depoimento de Nilmar ser descartado ...
O juiz olhou o conteúdo que o promotor acabara de lhe mostrar.
E pergunta:
-Advogada Lara você tem algum vinculo emocional com a testemunha de defesa Nilmar? Mostrando uma foto. Que Lara na hora reconheceu ser quando ela saiu daquela lanchonete O ângulo que foi tirada sugeria um beijo.
-Lara perguntou:
-Quem tirou esta foto?
-Seu affer estava sendo vigiado pela policia, Advogada Lara, falava o promotor em tom de ironia.
E o juiz foi taxativo.
-Responda a minha pergunta:
Lara olhou para o Nilmar e para o Juiz,olhando novamente para o Robson dizendo.
-Sim Juiz tenho um forte vinculo emocional com o Nilmar,
E replicou o Juiz:
-Isto é uma manobra da defesa para ganhar tempo?
Esta refutada, as provas são contundentes o exame de balística e a arma do crime dentro do carro do acusado.
Quinze minutos de recesso, voltaremos para as conclusões e a sentença.
Continua

Muito obrigado pela visita, não esqueça de dar maizinhos no Google+ e curtir no Facebook, para comentar aqui tem que ser seguidor. Então siga-me no google friends, os links estão abaixo.

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Hated in the Nation crítica black Mirror

" Hated in the Nation " é o sexto e último episódio da terceira temporada da série antológica de ficção científica britânica...