Pesquisar este blog

Translate

28.3.18

Em tempos de Guerra

Estou quase terminando de assistir esta série fantástica, no Netflix, Tempos de Guerra. O ano é 1921 e uma Guerra esta ocorrendo em Marrocos, Enfermeiras voluntárias, Damas. Estão indo ajudar, neste contexto conheceremos Julia, a protagonista, que tem como pretensão buscar o noivo e o irmão que foram participar desta guerra e se encontram desaparecido.
A série lembra bastante uma novela brasileira, porém bem enredada, com uma boa fotografia, e termina-se um conflito (digo no enredo) e logo o autor encaixa outro. Estou apaixonado pelos personagens, a Duquesa, Pilar, o Doutor, Madalena que se apaixona por um marroquino. Muito boa recomendado a você que gosta de romance assistir. Outro fato interessante é o enredo, bastante agradável e no inicio do capítulo sempre há um resumo do anterior. Deixo abaixo minha pesquisa da série.
   
Tempos de Guerra”, com 13 capítulos. Ambientada durante a obscura Guerra do Rif (1921-1927), no Marrocos, na qual o governo da Espanha luta para manter suas colônias no Norte da África, conta a história real de um grupo de enfermeiras e moças da alta sociedade espanhola que, por ordem da Rainha Vitória Eugênia, são enviadas ao “front” marroquino para abrir um hospital da Cruz Vermelha.
Lideradas pela Duquesa Carmen de Angoloti (Alicia Borrachero), inspetora geral dos hospitais espanhóis no protetorado, as jovens aristocratas tentam se adaptar rapidamente ao clima de guerra para conseguirem salvar as vidas dos soldados feridos, apesar da escassez de recursos hospitalares.
Em meio a esse grupo de mulheres está Julia Ballester (Amaia Salamanca), impulsiva e valente. Ela pertence a uma família economicamente bem-sucedida e passa a maior parte de seu tempo com aulas de piano, enquanto aguarda pelo retorno de seu irmão Pedro e de seu noivo Andrés Paredas (Álex Gadea) da guerra na África.
No entanto, como as péssimas notícias sobre o andamento do conflito não param de chegar, ela decide se juntar ao grupo de enfermeiras encaminhadas para Marrocos, mesmo sem experiência na profissão.
Guiada pelo amor e pelo senso de dever, Julia encontrará na Medicina sua verdadeira paixão, ao mesmo tempo em que se vê cada vez mais envolvida com o doutor Fidel Calderón (Álex García), que pertence ao corpo médico militar e está noivo da filha do coronel, Susana Márquez (Silvia Alonso).
Nesse triângulo amoroso, Julia e Fidel tentam lutar, sem sucesso, contra seus sentimentos. Já Susana obviamente faz de tudo para impedir a relação.
Paralelamente, outras tramas vão se desenrolando no hospital marroquino. A jovem viúva Pilar Muñis de Solaruce (Verónica Sánchez) se torna o braço direito da Duquesa Carmen e destina sua vida e paixão ao atendimento aos militares feridos. Verónica Montellano (Alicia Rubino), que gosta de implicar com os médicos e suas companheiras, e Magdalena Medina (Anna Moliner) completam o grupo das jovens enfermeiras.
Inocente e sonhadora, Magdalena foi criada como uma princesa, acostumada com mordomias, roupas caras e restaurantes de luxo. Deixa de lado um futuro certo ao lado de seu noivo Daniel para descobrir um mundo de sofrimentos e mortes que nunca havia imaginado.
Drama, suspense e paixões se alternam na vida dessas espanholas decididas a abandonar suas vidas confortáveis em função do bem maior: salvar vidas.
💙
Séries

21.2.18

Altered Carbon Crítica


Altered Carbon Série Netflix 2018
Altered Carbon Série Netflix 2018
Abre aspas
A série ocorre em 350 anos no futuro no ano 2384. No futuro, as memórias de uma pessoa estão decantadas em "pilhas corticais", dispositivos de armazenamento alienígenas que foram duplicados em massa por engenharia reversa e inseridos cirurgicamente nas vértebras na parte de trás do pescoço. Os corpos físicos são chamados de "luvas" (sleeves), corpos descartáveis que podem aceitar qualquer "pilha cortical". Takeshi Kovacs (Joel Kinnaman), um agente de marketing político com habilidades mercenárias, desperta 250 anos depois de seu 'sleeve' ser finalizado e ele tem a opção de passar o resto do tempo na prisão por seus crimes ou ajudar a resolver o assassinato de um dos homens mais ricos nos mundos colonizados (James Purefoy). Takeshi era o único soldado sobrevivente daqueles derrotados em uma revolta contra a nova ordem mundial 250 anos antes.
Fecha aspas Wikpédia
Bom dia, boa tarde e boa noite
Terminei esta semana a série do Net Flix, e logo aqui falando as minhas impressões.
Em um futuro distante, a 'imortalidade' é possível através de um processo digamos bastante 'moderno'
As pessoas, são 'transportadas' para uma espécie de Hd, ou moeda, pense naqueles medalhões chineses... Risos.
Enfim, diga-se assim. As pessoas são estes medalhões que são inseridas em corpos. Quando vc destroi o seu corpo, pode troca-lo, para outro e assim sucessivamente, sugerindo deste modo a imortalidade.
Pensando assm, o personagem principal, volta em uma nova capa. Um novo corpo.
Confuso?
É bem interessante o conceito, pensar que o futuro pode ocorrer isto não é nada impossível não.
Para exemplificar, no início da série mostra um casal que vai buscar a filhinha que morreu acidentada. Por ela ser pobre e ter morrido acidentada, tem direito a uma capa do governo.
Por ser pobre, esta menininha recebe uma capa de uma velha!
-Ou seja;
Capas são caras, e para isto precisa ser rico para ter uma capa legal.
E aí toda a crítica, e vai aos poucos falando sobre o que a imortalidade causa nas pessoas, viver 100, 200 e trezentos anos torna as pessoas hostil e egocêntricas.
O interessante é que se perder o digamos medalhão, morre-se de verdade. Quem pode pagar, tem direito a bkps . Pense assim, você escreve algo no PC e perde tudo. Escreve tudo num Google drive e vai salvando... deste modo também há muita inconcistência no quesito mortalidade, quem pode volta e volta, quem não pode morre e ponto.
Quem tem dinheiro troca de capa, quem não tem, precisa cuidar da sua capa.
Gostei das lutas, achei digamos bem: Netflix
A nudez? Nas séries da netflix sempre tem, não achei nada bizarro ou apelativo ao extremo, mas já adianto, elas existem e podem constranger assistir em família.
A maior luta das mocinhas, que achei o ponto alto da série, é constrangedor assistir em família, salvo se a tua família não se escandalizar com isto.
Há pontos altos e baixos, achei o cenário muito gotan city...
O lado bom gostei da moça protagonista e achei o protagonista meio que robocop, a propósito o tal foi o novo robocop do cinema. E amei a inteligencia artificial Poe, que é personificada como uma pessoa que cuida de um hotel, -O corvo.

A conceitada lembra o Black Mirror, e animes que já observei em outros momentos da minha vida. Ghost in the Shell
Recomendo? Indico?
Indico, eu começo séries e termino, pense que fui firme e forte eassisti o lixo que foi punho de aço. Pelo menos esta tem um cenário legalzinho,uma boa atriz de origem latina, e o conceito é interessante . 
Achei bom o primeiro episódio e ruim o segundo ao quarto episódio, fui firme e forte, e melhorou bastante ... dez episódios a temporada.

Crônicas de um Velho Jovem

12.2.18

Mon Chéri [indicação]

Mon Chéri
Categoria: Romance
Categoria: Romance
Sinopse:
"Chat que continuava grudado nas minhas costas, cobriu os meu olhos com uma das mãos e foi me conduzindo para um lugar desconhecido.
- Seja bem Vinda ao lar Madame!!! - falou tirando a mão de meu rosto e empurrando uma pesada porta." Escrevo toda a história narrada em um diário. Onde a protagonista, vivida por Marinette narra seu Dia-dia cheio de dúvidas,mistérios e romance.Embarque nessa aventura de medo e grande coragem.
Sobre a escritora:
Sou Andrisia, apaixonada pelo lúdico e a ilustração. Não sou a escritora q gostaria de ser, mas escrevo com o coração.
Indicação:
O livro se encontra concluído em formato de diário, um livro em ascensão. A categoria Romance é muito disputada, livros são dificilmente ranqueados nesta categoria. Mas mesmo assim, o que mais importa é aquele trabalho de procura de leitores... O conselho é observar livros parecidos, ver quem são os leitores recentes e gentilmente enviar um convite, de preferencia personalizado para que estes possíveis leitores acompanhem o livro.
Há um estilo parisiense, que encanta meninas que estão prestes a completar 15 anos, Paris em si é totalmente literal, ou seja, enredar citando, Paris, a língua, ou a gastronomia, torna-o muito fofo o livro. Uma dica seria escrever com um padrão. 500 palavras, 1000 palavras e no máximo 2000 palavras por capítulo. O ato de escrever é um treinamento, por isto digo para em uma nova empreitada fazer assim, e outra coisa, vai que seu livro deslancha? Daí um padrão ajudaria em uma futura diagramação das páginas, fica a dica. Passeei pelos cinco primeiros capítulos como o prometido, gostei de ler, fluiu a leitura. Continuo com aquela dica, dê uma atenção especial na ortografia nestes capítulos, pois é um momento de conquista, o leitor quer ser conquistado, vi muito resumo de palavras por exemplo: Você, tornou-se VC, até aí tudo bem, mas que tornar-se q acho um pouco não usual, mas nada que atrapalhe o entendimento... Também poderia explorar melhor a sinopse, poxa escreveu um livrão, e uma pequena sinopse? fica a dica.
Parabéns e sucesso!
Andrisia vi que seguiu as regras direitinho, peço que inclua a tag fênixindica para uma futura releitura no seu livro, pela equipe. Abraços. O clube Fênix Literário indica o seu livro.
Crônicas de um Velho Jovem

Uma Babá irresistível [indicação]

Uma Baba irresistível
Categoria: Romance
Como já comentei anteriormente nosso livro de indicação esta mais voltado ao momento de criação dos autores, digo isto pois o wattpad vive uma safra de muitos escritores
Como já comentei anteriormente nosso livro de indicação esta mais voltado ao momento de criação dos autores, digo isto pois o wattpad vive uma safra de muitos escritores... E nem tantos leitores, por essa razão, estaremos indicando livros famosos mesclado com livros iniciantes, e iremos dar dicas para os escritores, entendidos?
Indicação:
Alice tinha uma vida feliz com a mãe, eram melhores amigas, até que um desastre a deixou só, e para completar ficou sem emprego, e desamparada. Por sorte ou azar, ela acaba conseguindo um emprego de babá com o homem mais lindo, e mais arrogante que já conheceu. Mas como suportar um homem assim? Um homem rigoroso, frio, que ao mesmo tempo a faz sentir coisas que jamais sentiu. Poderá Alice fazer um homem quebrado, que não acredita no amor, aprender a amar novamente?O amor deles conseguirá sobreviver as adversidades que os espera?Venha embarcar nessa história, engraçada, apaixonante e de superação. Onde um homem quebrado encontra o amor, na babá de sua filha.
Sobre a autora:
Me chamo Raquel Mendes Trindade, tenho 23 anos, moro em Rondônia "Não sou Índia" kkk Comecei me interessar por livros não tem muito tempo, depois que minha irmã me indicou alguns, me apaixonei por livros, e não paro mais de ler..
"Uma babá irresistível" é o primeiro livro que me arrisco a escrever, é uma história leve, engraçada e apaixonante... Escrevo um capítulo por dia, se você puder ler a dar sua opinião, eu agradeceria.
Espero que goste! ❤
Sucesso, o perfil fênix literário indica o seu livro.  RaquelTrindade3
Abraços
Por Waldryano para o clube literário Fênix
Clube Fênix Literário

Amor Cristão [indicação]

Amor Cristão
Categoria: Espiritual
Sinopse:
Elisa uma jovem Cristã. Entra na faculdade de medicina e várias coisas estão por vim. Conhece um menino, mas a jovem menina que esperar o tempo de Deus...Será que o tempo de Deus já chegou e ela não percebe ou será mas um menino qualquer?-Então viveremos um para o outro e ambos para a Glória de Deus.
Primeiramente, vai rolar um certo estranhamento a você leitor ler, o nosso livro de indicações, pois não dar-se-á ao modo tradicional que vocês veem por aí, será leituras criticas, dicas de criação e assim vai
Primeiramente, vai rolar um certo estranhamento a você leitor ler, o nosso livro de indicações, pois não dar-se-á ao modo tradicional que vocês veem por aí, será leituras criticas, dicas de criação e assim vai.
Quando iniciei aqui no wattpad (waldryano) fiz o que todo o mundo deve de fazer quando se adentra ao novo. Observar o terreno. Amei de cara, sempre escrevia a um blog cristão, e amava ler e escrever, tanto que me formei em letras, não atuo na area, mas é algo que me instiga ler e escrever e o relacionar com as pessoas.
Bom foco Waldryano, vamos conversar sobre o livro Amor Cristão da escritora: Elisabeth Sousa
Infelizmente ela já não participa do wattpad, mas deixou para vocês um lindo livro que lia vorazmente, e hoje tem lá seus 3M de leituras.
-Você que escreve no Espiritual já leu este livro?
Ela ficou no ano de 2015 e 2016 liderando o ranking simplesmente por se tratar de um livro maravilhoso, delicioso, e empolgante de ler.
-Uma obra tem que ser original, tem que gabaritar no português?
Aqui não amigo, o português gabaritável é mais para o editorial, a gente tem que se fazer entender, e escrever da maneira mais correta possível, afinal precisamos ter progresso na escrita.
-Por que abordo isto.
Pois a moça errava no português exagerava nos dialogos, mas o que mais me motivou a ler, foi a estrutura do livro.
Ela narrava com muita verdade o cotidiano de uma moça de seus 17 anos, nas primeiras escolhas, no encontro do amor, e principalmente, lá pelo final o drama vencido.
-Clichezão?
-E daí, nós leitores vorazes queremos sentar no sofá esticar a perna e viajar na história...
E é assim que eu fazia ao ler o livro dela, indico fortemente a você leitor e escritor do wattpad aprender com a Elisabeth cativar leitores.
Acho que ela cansou, excluiu o app do celular e deixou a obra com uma cara de continuidade.
Mas ela deixou a obra dela, vivinha aqui dentro, pronta para viver em um novo leitor que esteja disposto a se emocionar com Amor Cristão

Clube Fênix Literário

Mais leve que o Ar [indicação]

Mais leve que o Ar
Categoria: Fantasia
Por Waldryano para o Clube literário Fênix Indica
Para iniciar nossas indicações e resenhas, iremos comentar os livros mais amados do wattpad
Um livro que amei ler do começo ao fim foi:
Sinopse: Melissa vive no reino de Amberlin e não é uma garota comum (ela tem a capacidade de conjurar flores)
Sinopse: Melissa vive no reino de Amberlin e não é uma garota comum (ela tem a capacidade de conjurar flores). Mais incomum ainda é Pablo, o misterioso garoto que ela conhece e que é completamente obcecado por inventar uma máquina voadora, algo inédito em Amberlin.
Eles se apaixonam, mas o sonho de Pablo pode colocar tudo a perder.Conheça Mais Leve que o Ar, por Felipe Sali.
Nos primórdios da laranjinha aqui, este jovem, começou a publicar o seu livro, demorou um pouco e boom encontrou leitores, e fez muitas pessoas suspirarem eu fui um leitor deste livro, me envolvi nas emoções da protagonista, e fiquei muito surpreso com o final do livro do autor novato até então, hoje Felipe Sali é um jornalista, não nega sua veia Geek, e se comunica através de canais do youtube.
Bora ler Mais leve que o Ar? O clube Fênix literário, indica! e aproveitem, ele mora aqui no wattpad ! O autor publicou o livro físico, mas fez questão de manter a versão online que já ultrapassa 800k de leitura.
Agora abaixo, uma pesquisa deste livro retirada de um site, para divulgação
https://mundoestranho.abril.com.br

Repleto de referências e homenagens a figuras da história brasileira, o livro Mais Leve Que o Ar deixou sua versão de bytes e migrou para o papel para encantar leitores de uma nova geração de escritores no Brasil. A obra do escritor estreante Felipe Sali foi originalmente lançada na plataforma online Wattpad.
O formato da versão física é um show à parte e remete à mesma delicadeza e amor que o autor dedicou à obra. A capa (que é a maior da história de publicações da Lote 42) se desdobra e vira um grande mapa de Amberlin, o reino que serve de cenário para a trama. Com ele, o leitor pode se guiar e reconhecer pontos importantes da história de Mais Leve. Além disso, a capa ainda conta com verniz localizado, que ressalta plantas e cálculos das invenções de Pablo, assinadas pela artista colombiana Camila Daza.
A trama nos apresenta Melissa, uma jovem druida cujo poder mágico é conjurar flores (na história, druidas são mulheres que podem usar magia). Em Amberlin, conjurar magia pelas ruas ou em qualquer outro lugar é considerado crime e até bruxaria. Por isso, existe uma escola mágica (mas calma, não é Hogwarts)! Trata-se de um mosteiro onde garotas se reúnem para aprender e aperfeiçoar seus poderes, ensinadas por professoras um tanto quanto imponentes – as chamadas Completas, que são algo como freiras que abdicam de suas vidas para se dedicar à magia, à natureza e a tudo ligado ao Universo. As druidas até podem chegar a ser uma Completa, mas Melissa não acha que seja uma boa ideia.
Além de ter poderes, Melissa é também uma garota normal, da plebe, e vive numa casa lotada com suas sete irmãs e seus pais. Suas maiores paixões são as aulas no mosteiro e o mundo literário, já que a garota é uma leitora voraz. É na escola que ela conhece Pablo (suspiro), o garoto que mudará sua vida para sempre.
Pablo é a espécie de bom partido que toda menina gostaria de fisgar para sair da vida pobre, embora não seja isso que o torne atraente para Melissa. Ele também é famoso, não somente em Amberlin, mas também nos reinos de Arab e de Sirap e provavelmente em outros também. O motivo? Sua nobreza, bondade e inteligência. Pablo desafia as leis da física e da magia e pretende fazer o homem voar.
De maneira rápida, os dois se envolvem. Melissa se rende ao sorriso de canto de boca do garoto e Pablo se apaixona pela garota simples de cachos rebeldes. Mas é claro que nem tudo são flores. Melissa descobre os contras de namorar alguém que está sempre nas capas de jornais e nas matérias de tablóides, e também passa a ver as alfinetadas que sempre surgem por ele namorar uma simples plebeia.
A capa do livro se desdobra em um mapa do reino de Amberlin (Divulgação/Lote 42)
Melissa mergulha na história de vida do garoto, conhece fantasmas de seu passado e ainda precisa dividir um espaço no coração do garoto com a tão sonhada Máquina Voadora, batizada de Ave de Rapina. Para Pablo, o conflito é outro: vale a pena dar uma pausa no sonho de construir sua máquina para se dedicar a essa garota?
Os personagens são muito bem desenvolvidos e, ao final da leitura, a trama não deixa muito em aberto. É tudo entregue de forma clara a partir do que foi construído na história. Melissa impressiona pela maturidade (ou pela busca dela) e Pablo externa a ideia de que dinheiro não compra amor, amizade ou respeito. Tudo na vida dos dois é conquistado, não comprado. Mais Leve Que o Ar é despido de clichês românticos. É o jeito Sali de fazer chorar de amor. É autêntico.
O livro é uma ótima sincronia de drama, mitologia, romance, crítica e ação. Mais Leve Que o Ar cumpre a promessa de seu título, e te deixará dessa maneira ao término da leitura. Prepare sua caixinha de lencinhos!
Mais leve que o ar possui a versão impressa procurem no site da editora
Mais leve que o ar possui a versão impressa procurem no site da editora
(Ed. Lote 42, R$ 39,90)
Clube Fênix literário

5.2.18

Um dia muito especial

Um dia muito especial na minha vida
Li em algum lugar que para deixar esta vida, a gente tem que fazer três coisas.
Reproduzir.
Escrever um livro.
Plantar uma arvore. 
O reproduzir, perpetuar a espécie, deixar a semente neste mundo, já o fiz e foi minha querida Thau. Aproveitando a deixa e dizendo que tive uma vibe de ilustrar, eu tirava foto e contornava com o programa paint tool sai, muito legal o resultado...Minha filha nos seus 2 aninhos....
  [Quer ver minhas artes? vai no google digite pixabay, pesquise fotografos, waldryano]  
  [Quer ver minhas artes? vai no google digite pixabay, pesquise fotografos, waldryano]  
Aspas a parte.
Perpetuei a espécie com uma linda princesinha.
Escrever um livro? Sei lá, ainda estou tentando...
E plantar uma arvore... Tenho que plantar esta tal arvore ainda...
Mas hoje é especial, pois a querida Thau, vai no seu primeiro dia para a escola....
Que tensão, que emoção! Ela cresceu, 4 aninhos e agora vai lá encarar os amiguinhos, a professora, tudo, vai voar meu passarinho...
-Que emoção! Deixo aqui meu registro, não poderia deixar batido, é muita felicidade para o pai Wal aqui...
Linda, linda, linda do Papai, vai conhecer a sua primeira professora. Eu lembro o nome da minha era Zorilda, vai conhecer amiguinhos, eu tive um que estudei até a quarta série, André, vai desbravar que o mundo é seu!

Crônicas de um Velho Jovem

27.12.17

Glitch Segunda Temporada

Olá leitores do Blog, tinha dado um tempo nas minhas maratonas de série da Netflix, até que ao abri-lo, vi que a série Glitch lançaram a segunda temporada. 6 episódio de 50 minutos em média. Irresistível dai pensei: Bora Assistir?

Bom começa a segunda temporada, com a doutora protagonista, responsável por ter trazido os mortos a vida, na primeira temporada, sim, esta doutora dentro de um necrotério mortinha da Silva, de ela sai de lá e troca os nomes. Enfim. A doutora também morreu e voltou a vida!

Bom vou deixar a minha pesquisa sobre a série.
Detalhe assisti ela inteira, e achei ótima, vale a pena a maratona. Se eu fosse criticar algo seria o fato de parecer estarem em uma cidade fantasma! Por conta, creio eu, de um baixo orçamento, ou para enfatizar o enredo, quase não se vê pessoas na série, digo elenco de apoio figurantes mesmo. Quando assistir perceba isto, parecem que alugam sets de filmagens e não sobra dinheiro para isto, e o laboratório bem medieval, a história é bem convincente, mas te estas digamos dificuldades na série, mas nada que atrapalhe a compreensão e o encantamento dela, somente pra dar pitaco mesmo. E pra finalizar pareceu-me que o nenemzinho da menina cresceu abruptamente um recem nascido em uma cena e na outra uma criança de uns três meses? Licença poética né, como que um recem nascido poderia digamos fazer parte de um enredo bastante puxado, pois em quase toda os seis episódios aparecia ele, pareceu-me apavorante... Mas como o comentarista a seguir narrará, não é o foco terror aqui é uma série instigante de mistério e suspense, que torna ela interessante... Vale a pena assistir esta série australiana... Terra dos cangurus, até mataram um por lá, rs



Em 2015, o canal australiano ABC produziu este Glitch, uma série em 6 episódios de aproximadamente 50 minutos e que contava a história, em linhas muito gerais, de 7 pessoas que, sem qualquer explicação, simplesmente rastejam para fora de seus túmulos como se jamais tivessem morrido. Após ganhar o “Troféu Imprensa” de lá, a série chamou a atenção da Netflix, que comprou os direitos de distribuição internacional da série e assinou contrato para co-produzir esta segunda temporada.

Antes de mais nada, eu queria usar essa resenha aqui para esclarecer uma compreensível confusão que as pessoas fazem em relação ao que esperar de Gitch. Apesar de se tratar de uma série que lida com pessoas que voltaram da morte, ela NÃO É uma série de terror e tampouco de zumbi. Não há qualquer tentativa aqui de se assustar ou causar repulsa ao espectador. Trata-se de um thriller sobrenatural/sci-fi dos bons, daqueles que te fazem ficar o tempo todo se fazendo perguntas só para ficar positivamente irritado porque as respostas nunca vêm.


Recapitulando a 1ª temporada, o policial James (Patrick Brammall) e a Dra. McKellar (Genevieve O’Reilly) vão atender a um chamado em um cemitério de onde 7 pessoas, do mais absoluto nada, acabam de sair de suas covas. Todas parecem saudáveis e uma delas é a insuportável ex-mulher de James, Kate (Emma Booth), morta anos antes vítima de um câncer. A 1ª temporada se desenvolve com o grande mistério do porquê daquilo ter acontecido, além de seguir os dramas pessoais (e muitas vezes irrelevantes) de cada um dos renascidos. Nesse ínterim, um policial de outra cidade sofre um acidente de carro, morre e volta como uma espécie de espírito vingativo com o único propósito de matar todos os que voltaram da morte, criando assim o conflito a ser resolvido,.

A temporada termina, portanto, com quase nenhuma resposta e MUITAS perguntas. Porque diabos eles voltaram? Porque essas pessoas especificamente? Porque os renascidos morrem se cruzarem uma linha imaginária? Quanto tempo tempo esse povo consegue ficar sem tomar banho depois de ter se cavado de dentro de uma sepultura? O que caralhos é aquele apito? O que acontece dentro da Noregard? Qual é exatamente a ligação da empresa com a Dra. McKellar? Porque o tal policial voltou da morte sem mais nem menos e com o propósito de matar aquilo que já estava morto?


A única resposta que recebemos ao final da 1ª temporada – e é exatamente daqui que a 2ª temporada parte – é que a Dra. Mckellar está morta há quatro anos e que foi ela quem provavelmente motivou o evento que levou a ressurreição daquele povo. E é nela, na tentativa de se responder quem ela é, que boa parte desta temporada se concentra.

Em muitos aspectos, Glitch lembra as primeiras temporadas de “Lost“. Cria-se aqui um ambiente de mistério em que algo acontece inexplicavelmente, os personagens têm flashbacks constantes de suas vidas antes de terem morrido, as perguntas se amontoam sem que respostas sejam oferecidas e as pessoas que as podem oferecer fazem aquela cara de bunda que tanto vimos em “Lost” quando dizem coisas como “agora não é a hora para isso”, “você não entenderia”, “eu não saberia explicar em palavras”, e por aí vai. E isso tudo envolto em uma névoa de ciência-paranormalidade-espiritualidade.


Felizmente, esta segunda temporada veio para responder algumas perguntas, ainda que boa parte delas ninguém tivesse muito interessado em saber, como, por exemplo, aquelas referentes aos passados de Charlie (Sean Keenan) e Kirstie (Hannah Monson). É ao focar no desenvolvimento destes personagens secundários em arcos tão menos interessantes que o principal que a série peca, ao meu ver. Mesmo na bem escrita e atuada subtrama de Paddy (Ned Dennehy, soberbo), que serve também como um comentário social bem relevante em um país cuja população nativa foi brutalmente dizimada pelo europeu, fica-se com a impressão de que em nada se contribuiu para a trama principal, quase como se esses arcos coubessem em uma série de antologia sobre o mesmo tema e estivessem fora de lugar aqui.

É quando a série foca na trama principal e, especialmente, no drama que vive o policial James (em atuação muito sólida de Patrick Brammal) com sua ex-esposa-falecida e atual-esposa-que-acaba-de-parir, que ela brilha. Apresentando dois novos personagens nas figuras da Professora Heysen (Pernilla August), chefe da Noregard, e do imponente Phil (Rob Collins, ameaçador), as peças do quebra-cabeça começam a ser montadas, respostas começam a surgir e, ao mesmo tempo, novas e mais complicadas perguntas surgem.


Contando com um elenco muitíssimo bem azeitado e com atuações no tom correto (mesmo que o tom correto seja o dos chatíssimos Kate, Charlie e Kirstie), Glitchentrega uma sólida 2ª temporada que, de várias formas, complementa muito bem a anterior. Ainda que algumas cenas de ação sejam um tanto constrangedoras, o foco desta história está em seu roteiro e em sua capacidade de fazer o espectador ficar se perguntando cada vez mais sobre o que está acontecendo e, nesse quesito, Glitch vai muito bem, o que, espero, vai garantir uma 3ª temporada para ao menos terminar de explicar toda a mitologia estabelecida aqui.

É refrescante que uma série com essa pegada de ficção científica/espiritual venha de um lugar que não o eixo EUA-Inglaterra. Mais do que um bom mote e mistérios bizarros, a série também apresenta diálogos muito bem escritos, abrilhantados pelo verdadeiramente bom trabalho de seu elenco, entretendo e, em certos momentos (um diálogo entre James e Phil em um dos últimos episódios vem a memória), até mesmo fazendo com que questionemos nossas mais recônditas verdades.

fonte : http://diariodaaninhacarvalho.com/o-que-ha-por-tras-da-serie-glitch-da-netflix/
Crônicas de um Velho Jovem

10.11.17

Atitude racista afasta William Waack

William Waack

Um vídeo que circulou nas redes socais nesta quarta-feira em que o apresentador William Waack, do Jornal da Globo, aparece fazendo comentários racistas terminou com o afastamento do jornalista da programação da emissora. Em nota, a TV Globo diz que o âncora do Jornal usou "ao que tudo indica" termos racistas. O grupo afirma ser “visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações” e, por isso, toma a decisão do afastamento até que a situação esteja esclarecida”.


As imagens do vídeo são da campanha eleitoral dos Estados Unidos em 2016. Minutos antes de entrar ao vivo ao lado do entrevistado Paulo Sotero, do Wilson Center, Waack xinga um carro que estava buzinando na rua, vira-se para o convidado do programa e afirma duas vezes em tom baixo que o barulho na rua é coisa de “preto”. Depois de reclamar das buzinadas, o apresentador diz: "Você é um, não vou nem falar, eu sem quem é...". E depois, virando-se para o convidado diz: "É preto".

Várias versões do vídeo foram divulgadas ao longo do dia. Em algumas, o comentário do jornalista é pouco audível, em outras é mais claro. O entrevistado Paulo Sotero, que representa um centro de pesquisas internacionais, procurado pelo site BuzzFeed, diz não se lembrar do dia em questão e que repudia qualquer forma de racismo.


No começo deste ano, a TV Globo já afastou o ator José Mayer, acusado de assédio sexual durante as filmagens de uma novela. O afastamento aconteceu depois de uma campanha massiva nas redes e também por parte de funcionárias da emissora. Desta vez, o posicionamento veio mais rápido. Depois do vídeo viralizar, a emissora soltou a nota abaixo.

Fonte El País Brasil








NOTA DE AFASTAMENTO DE WILLIAM WAACK
"A Globo é visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nenhuma circunstância pode servir de atenuante. Diante disso, a Globo está afastando o apresentador William Waack de suas funções em decorrência do vídeo que passou hoje a circular na internet, até que a situação esteja esclarecida.
Nele, minutos antes de ir ao ar num vivo durante a cobertura das eleições americanas do ano passado, alguém na rua dispara a buzina e, Waack, contrariado, faz comentários, ao que tudo indica, de cunho racista. Waack afirma não se lembrar do que disse, já que o áudio não tem clareza, mas pede sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados pela situação.
William Waack é um dos mais respeitados profissionais brasileiros, com um extenso currículo de serviços ao jornalismo. A Globo, a partir de amanhã, iniciará conversas com ele para decidir como se desenrolarão os próximos passos"
Comentário do Blogueiro Waldryano:
Assisti ontem os vídeos em alta do youtube e fui surpreendido por este viral atual. Vi videos da Sonia Abrão comentando o caso e também um vídeo de uma jornalista da JP que comentava que o tal vídeo que desenrolou todo o caso foi inicialmente lançado em um grupo do Watts. 
Primeiro de um modo geral sempre assisto o Jornal da Globo dês do tempo da Lilian, depois da Ana, da Pelágio e agora do Waack. No youtube assisti umas alfinetadas dele com uma jornalista esportiva e observei arrogância preconceito com mais jovens e superioridade exorbitante.Neste vídeo observei que simbolicamente quem o lançou, lançou um ano após o ocorrido. Sendo deste modo compreendo que é corriqueiro a postura do jornalista em ser digamos discrepante.
Agora fico pensando, ele sendo um formador de opinião vive dois mundos distintos, o mundo da bancada, e o mundo das opiniões pessoais do protecionismo pelo fato de estar no topo e precisar de defesas na postura de coxia e o mais até então demonstrado, o racismo que foi exposto nos grupos e viralizou. 


Até que certo ponto os valores internos estão sendo expostos e sendo julgados? 

Um destes videos que assisti disse que a Globo preocupou-se com o perigo de um boicote financeiro de patrocinadores.A Globo afastou um ator por abuso expulsou outro BBB por agressão psicológica as mulheres e atualmente tem uma campanha que mostra. Um ator velho que falam ser Gay, uma atriz que tem problemas crônicos psiquiátricos e atores negros famosos e não esqueça da Regina Casé, nordestina e estereotipada como um padrão reverso de moda, todos falando sobre respeito. E nas coxias existem atitudes WilliamWaackianas? Há uma imensidão de hipocrisia a se combater, isto é fato. 
Opinião.

1.11.17

Amor Impossível Capítulo 3

Seis meses antes

Eram os últimos ajustes,e eu estava vivendo o dia mais feliz da minha vida. -Casar depois de dois anos de noivado, estava prestes a viver o meu: -Feliz para Sempre. Com o meu noivo Robson.

Seria uma cerimonia simples e discreta em uma pequena capela. -Fiz questão de convidar a minha melhor amiga, quase irmã, Camile para madrinha. Ela meio que desconversou visivelmente não queria. 

-Não entendo amiga, o momento mais feliz da minha vida....

-Não gosto destas coisas Lara;

-Mas no meu casamento você vai...

Quando a convidei o meu noivo Robson estava comigo. Ele sorriu para Camile ironizando a minha persistência.

-Se é assim aceito...

Minha mãe chorava, não queria que eu casasse. Mesmo noiva ela nutria esperança, que a qualquer momento poderia desistir do casamento.

Quando criança quase morri, minha mãe fez de tudo, mas como diz ela, foi a devoção que ocasionou em mim o milagre.

— Você Lara, irá servir a Cristo. Católica dês de criança minha mãe falava que ela iria me tornar uma freira, aprendi deste modo aceitar este destino.

Também aprendi a ser grata pela minha vida.

Mas no meio do caminho surgiu o Robson.

Foi um amor arrebatador.

O primeiro instante que olhei o Robson senti que era o amor da minha vida. Camile, minha amiga de infância dizia.

— Que sorte a sua encontrar um homem como o Robson para chamar de seu.

E eu dizia a ela: —Você irá encontrar um amor também Camile.

No nosso namoro sempre estava presente Camile, a mando da minha mãe, para cuidar de nós. Assim pensava.

Um namoro respeitoso, planejava o futuro e não poderia ser outro senão o casório. Minha mãe chorava.
Observava que os planos que ela escreveu para mim não estavam sendo concretizados.

Minha vida não haveria sentido sem ele.

Agora estou na porta da Igreja.

Todos estão de pé.

A porta aliança já entrou.

Sei que o meu momento é hoje. Olhei para frente e as duas pessoas que mais me importavam estavam lá. Minha melhor amiga Camile e o Robson. A propósito ele estava lindo com aquela roupa própria para o casamento e Minhã mãe também estava lá, creio eu que ela ainda observava uma esperança que o casamento poderia não sair.
Amor Impossível

Postagem em destaque

Em tempos de Guerra

Estou quase terminando de assistir esta série fantástica, no Netflix, Tempos de Guerra. O ano é 1921 e uma Guerra esta ocorrendo em Marro...