31 Encontro com minha filha


Capítulo 31
Encontro com minha filha
Estou caminhando de mãos dadas com a minha esposa Neide, irei ver a minha filha, a psicologa já recomendou, mas será que vou conseguir, quero dizer a ela: -Filha como você pode se entregar a um homem antes de casar? Te ensinei tanto, porque filha. Ela diria. -Pai eu amo aquele garoto, ele me largou mas eu amo ele, e eu choraria por dentro, ficaria com um sentimento mal dentro de mim. É minha criança que esta naquele quarto, é ela que aquele rapaz fez um filho e abandonou. -Amor, olhe lá o que vai falar com Lara, não se esqueça que ela esta em recuperação.
Estava vivenciando uma situação extrema, era surreal estar passeando em um hospital, eu sempre imaginei minha filha grávida: -Sim, imaginei isto pois é a natureza do ser humano, crescer e engravidar, mas casada, com seu marido contando todo animado. E aí sogrão, como se sente sendo vovô? Que sensação, não terei nunca essa frase, nem em sonho pois o rapaz desonrou minha filha e a deixou, e por fim, minha pequena esta sofrendo, quase perdeu meu netinho.
Eu assumo os cuidados do meu neto, a Lara errou, mas cuidarei como se fosse meu filho o filho dela. Será uma menininha ou um menininho. -Ei esperem, esperem.Olhei para trás e era um sorriso de alegria que adentrava no corredor minha irmã Iasmim. Desculpem, não pude vir antes, me atrapalhei com umas entregas, mas aqui estou. A Iasmim vendia camisetas ela mesmo cortava, costurava estampava e entregava, sempre dizia que precisava de ajuda, nunca casou, mas sempre foi feliz com a sua vida. Herdou este dom de costura da mãe, e faz lindas camisetas. Que bom Iasmim que chegou, vamos ver a Lara juntos, assim é melhor para ela, pois vai passar um tempo aqui com você em acompanhamento neste hospital. Oi Neide, abraçou minha esposa. Tomara que saia hoje mesmo deste hospital, o quarto dela já esta limpo e aconchegante esperando essa menina.
Você é um anjo na minha vida, Disse Neide, Vamos entrar, E de novo alguém desta vez falava lá de longe, olhei, não gostei muito era a tal psicologa, Esperem um pouco, vou ficar observando esse primeiro encontro, a Lara esta fragilizada, só vou observar de longe caso precise entrar com medicação.
Entrei, olhei a Lara estava com os olhos fechados, não observou que entramos, pois havia acabado de sair uma enfermeira que tinha ido retirar o soro dela. Ela mexia com a boca parecia estar orando.
-Filha, sou eu a mamãe, disse a Neide, ela abriu os olhos sorriu, mamãe é você? é você mamãe, passava as mãos no ventre num instinto de proteção.
-Somos nós filha seu pai a Iasmim e eu, viemos te buscar, parece que vão te dar alta.
E veio a psicologa.
Mas antes gostaria que o Pastor conversasse a sós com a sua filha.
Lara olhou para o pai com um medo de morte, a psicologa observou e disse.
-Qualquer coisa querida estou aqui, click na campainha que estarei esperando do outro lado da porta, tem um bip que faz eu escutar, mas creio que não precisará não é pastor.
Que sentimento estranho, minha filha com medo da minha reação e precisando de um médico para intermediar nossa conversa.
Claro psicologa, eu quero o melhor para minha filha para a minha família e para o meu neto.
Iasmim caindo de paraquedas na história não entendia o que estava ocorrendo, Neide pegou nos braços dela e falou, vamos esperar lá fora, conversamos um pouco, realmente estes dois precisam conversar...
Filhinho eu te amo

Nenhum comentário:

você poderá gostar destes posts abaixo