Paranaense, trinta e poucos anos, formado em letras, evangélico, E... Gosto de escrever...

Por Waldryano | Para o blog Waldryano
Capítulo 24
Proposta indecente

Eu vi meu até então amigo de longe me chamando para conversar.
Já estava mais que na cara que coisa boa não era.
Aquela caminhada relembrei dos versículos do Salmos 1.
Cada um.
Ia se aproximando do Nilmar, e pensei deste modo.
-Já que ele me chamou, vou convida lo para ir a Igreja hoje de noite.
Estas confusões que ele se colocou, essa de me influenciar a dar tiros em um lugar afastado, e as ultimas consequências, e seu ato de devaneio de dar tiro no Zecão. Eram coisas de quem precisava urgentemente de Deus.
E eu ia se aproximando do até então melhor amigo.
Observei que ele estava um pouco eufórico, sem graça, e abatido.
Neste momento senti que ele era fortemente manipulado pelo pai.
E eu como seu amigo, só poderia oferecer lhe uma coisa.
-Jesus!
Eu poderia falar do amor de Cristo e convencer ele de ir na Igreja.
O erro ele já tinha cometido, mas se ele tivesse essa esperança né?
De Jesus Cristo que liberta, da marginalidade, e ia chegando mais perto
-Meu amigo, meu melhor amigo um marginal...
-E ai, Robson?
-E aí, Nilmar, que confusão não é?
-É amigo fiz burrada, desculpe pelo pai, pegou pesado com você.
-Mas Robson, vim te propor uma parada irrecusável pra você.
Escutei parada, soou com um ar marginal, um ar de quem nem esta mais raciocinando direito, e eu me paralisei a escutar ele pense? Eu pensei deste modo: - Vamos ver até onde esse rapaz quer ir comigo, e escutei.

Pois é Robson esqueça o que o pai falou, vamos ser parceiro. Hoje vamos assaltar um caixa eletrônico, já esta tudo combinado, e você entra como motorista, coisa fácil, e depois deste assalto você vai ter muito dinheiro.
-Escutei cada palavra, e confesso que tive dó dele, ele vibrava com cada palavra. Como se aquilo fosse a coisa mais natural possível.
E então eu disse:
-Nilmar, não vou te entregar, sobre o que falou, sobre o tiro, essas coisas erradas que fez, você bem sabe que é você que tem que assumir seus erros. Mas vou te fazer um convite, vamos para o culto hoje, lá você orará a Deus, confessará seus pecados, e pedirá a Ele uma solução para os seus problemas.
Não entre nesta amigo, pois é sem volta, parece tudo fácil, mas é um erro.
Vamos a igreja?

Terminei de falar, e surge o pai do Nilmar, com um carro velho não me recordei bem que marca era, claro que gelei todo, o pai do Nilmar me causava arrepios...

-E aí Nilmar ele aceitou?
-Não pai ele não aceitou...
-Já sabia, vamos filho, ah antes, quero te mostrar esse brinquedinho...
E eu vim olhar assustado, mas fui, e vi no banco de carona enrolado numa coberta velha, era uma outra arma... E vi que tipo de pessoa era o pai do Nilmar.
O pai do Nilmar desenrolou da coberta velha e me mostrou...
-Sabe esse botãozinho?
E apertou um botão na arma que ligou uma luzinha que parecia um lazer vermelho.
-Sim o que tem isso? Perguntei.
-Se você abrir seu bico, e entregar meu filho, posso atirar e matar seus amores. Essa arma tem uma mira que alcança quinhentos metros de distancia. De repente, pum, caiu morreu e nem preciso estar perto.
-Tá bem explicadinho, moleque.
-Não brinque comigo, você já sentiu um pouco do que eu sou capaz.

-E quanto a você, deu um tapa por detrás do Nilmar, e disse lhe assim.
-Não quero ver você conversando com esse Robson, e nada de Igreja, papinho careta esse, vamos embora meu filho, vamos planejar nosso roubo, pensei que pudesse contar com esse cagão, mas vi que ele é um bebezão...

-Odiava ouvir essa palavra Bebezão, mas vi que era uma situação tão complexa que nem ligava mais, neste momento meu pai apareceu na esquina e disse.
-Vamos pra casa Robson, se aprontar para ir à Igreja.
-Claro que o pai do Nilmar já tinha escondido, seu 'brinquedinho' e o Nilmar já estava dentro do carro ambos foram embora.
E voltei a pensar no Salmos primeiro. O dia estava escurecendo, seis e meia da tarde, olhei para o céu e disse:
- Obrigado Senhor.
Meu pai nem prestou atenção no que tinha ocorrido.
E entendeu que o 'Obrigado Senhor' era um agradecimento pela namorada, que iríamos iniciar uma cumplicidade.
-Sabe Robson, depois do culto, vamos conversar sobre namoro, sobre a vida, e sobre esse pai do Nilmar. Mas deixe essa conversa para Depois do Culto...

#Faltam alguns eventos, para finalizar essa história, conto com a leitura de vocês amados e queridos leitores.
E você querido leitor gostaria que pensasse deste modo quando ler, e titubear em compartilhar.
1- Você compartilha.
2- O livro cresce.
3- Mais pessoas são alcançadas, e leem o livro
4- Alguém do outro lado que esta quase entrando numa roubada, repensa seu ato e dá um 'stop' na sua roubada.
5- Você evangelizou.
Então, seja um leitor atuante compartilhe e ajude esse livro a crescer aqui no Blogger, onde a maioria absoluta são jovens da idade do Robson e da Nelma que vão adorar sim, o lado Romance, vão se conscientizar no lado cristão e vão refletir, nas 'roubadas' desta vida, e sempre manter uma vida pautada, no temor a Deus, e na reflexão, Abraços! [como sempre falei(escrevi) pelos cotovelos]


Muito obrigado pela visita, não esqueça de dar maizinho no google+ e curtir no facebook, para comentar aqui tem que ser seguidor. Então siga-me no google friends, os links estão abaixo.
Deixe sua opinião
Por: Waldryano RJ 1.10.15 Comentarios | As ,

0 comentários:

A maioria dos textos e imagens expostos neste blog são de autoria ®Waldryano. Tecnologia do Blogger.

# Compartilhe